Parada iluminada – e sem chuva, espero!

20 12 2007

Aqui no Rio de Janeiro, neste sábado, ocorrerá a 2ª Parada Iluminada de Natal — uma idéia publicitária muito interessante pra gastar o dinheiro das gigantes das bebidas e fazer algo de bom pela cidade. Com a Parada de Natal desse ano, os organizadores tentam firmar mais um evento pra entrar pro calendário oficial da cidade e disputar atenção, pra alegria do carioca, de outros atrativos natalinos, como a Árvore da Lagoa — que é da Bradesco, não da Coca-Cola.

O único anseio carioca pra essa parada é que ela não seja debaixo de chuva. Quem viu ano passado gostou, mas, repetir a experiência numa chuva de ventos frios de Copacabana não seria legal. E essa visita indesejada já chegou…
Já a minha experiência anterior me serviu somente pra lembrar: “nunca sente na primeira fila”. Acho que dá pra entender né?

Anúncios




Cuidado com os dentes: tem iPod congelado nos picolés!

12 12 2007

Isso foi o assunto do dia nos blogs de tecnologia e publicidade. Uma campanha de uma marca beeem famosa de sorvetes vai distribuir iPods por aí… Será que você acerta qual é a marca que teve essa sacada genial? Bem, a idéia foi comprada de uma agência de publicidade, é claro, e o mérito é todo deles, desses gênios da publicidade.

Dito isso, você deve estar se perguntando: idéia genial? iPod congelado? Como assim? É que a Kibom, a tal famosinha dos picolés do Brasil vai transformar a publicidade dos geladinhos desse país. Vai distribuir iPods nos seus picolés. Quero ver um concorrente chegar perto dessa originalidade a tempo!

A imagem “https://i0.wp.com/www.brainstorm9.com.br/wp-content/uploads/2007/12/kibonipod.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

A promoção “iPod no Palito” consiste no seguinte: um iPod shuffle (claro, você não esperava que fosse o classic de 160GB né?!) será colocado dentro de embalagens feitas especialmente pra ele, com isolamento térmico e devidamente camuflado pra que se pareça com um frutare comum. É a revolução do palito premiado, criado pela própria Kibom há 20 anos.

Serão 10.000 iPods espalhados nessas poderosas embalagens. O sortudo que estiver morrendo de sede e for comprar o seu Frutare de limão e encontrar um iPod shuffle geladinho, poderá desembalar o presentinho ali mesmo e ir correndo pra casa. Se ele for um usuário de iPod, ele poderá já utilizar o aparelho com o cabo e o fone do seu iPod antigo. Já se não for, terá de ligar para um 0800 da Kibon informando ser um ganhador da promoção. Assim, eles te enviarão os fones, o cabo, o mini dock e o manual. Quer mais? Eles ainda enviam o picolé que você comprou! Perfeito né?

Os créditos dessa maravilhosa campanha ficam a cargo da agência paulista Bullet e começará a distribuir os presentes em 18 de dezembro.

Vou comprar 5 Frutares de limão nesse dia!

P.S: Quer saber um pouco mais sobre os bastidores da campanha? O Update or Die (é em português, não se preocupe) tem tudo sobre o backstage dessa campanha!





Dicas em caso de perda ou roubo do celular

11 12 2007

Antes de mais nada: palmas à “honestidade” e ao “bom caráter” de muitos cidadãos brasileiros, que, Graças a Deus não são todos, caso você não tenha entendido a ironia da frase.

Ontem, noite quente de dezembro, deixei que uma querida companhia cheia de memória se deslizase do meu bolso rumo ao abismo de uma acolchoada poltroninha, pra que nunca mais nos víssemos…

Pois é… perdi o meu celular! Que otário! Mas, o que aconteceu poderia fácilmente ter se desfeito em torno de 24 horas, caso o bom cidadão que achasse a “maravilha tecnológica” do MotoFone devolvesse pelo menos o meu chip! Pô, aquela coisa de celular me custou R$ 34, se o desdentado que achou aquela bosta quisesse ficar com aquilo, pelo menos poderia ter tido a gentileza de declarar um meio-assalto, não? “Te devolvo só o “xipi” mermão”! Negócio feito! Comprei aquele celular só pra essas horas de assalto mesmo! Mas, não… o passa-fome ficou com aquilo e, obviamente, arrancou o meu chip.

Então, vamos às regras de fato, a começar, pelo perdedor:

Muita gente não sabe de alguns serviços que as operadoras gratuitamente oferecem aos seus clientes: bloqueio de chip E APARELHO. Então, o que fazer caso você perca:

  • Antes de perder, aliás, quando comprar, guarde a caixa. Se não quiser ficar com o trambolho, guarde num email, num papel, numa agenda, até atrás da porta do banheiro, enfim, guarde o número IMEI do celular. Com esse número, você pode acabar com a alegria do miserável desocupado que inadvertidamente surrupiou o seu tijolinho.

Você não sabia que isso era possível né? Pô, vai entregar o ouro ao bandido? Acabe com a diversão dele! Com esse número IMEI, que é como um RG para o celular, a operadora pode bloquear completamente o seu celular, sendo o mesmo ativado somente via código, independente do chip inserido. O celular se tornará, então, o tão desprezado tijolo! Só que no bolso do flagelado que ficou com ele. O segundo passo é:

  • Bloqueie o chip! Num caso de perda ou roubo, além do principal que é o bloqueio do aparelho – que na verdade só é vantajoso em termos de vingança – você pode bloquear o chip para fazer e receber ligações e assim, adiquirir o mesmo número novamente. Chega daquele troca-troca de número a cada assalto. Seus problemas acabaram! Em 4 horas o bichano tá bloqueado e você pode passar numa loja da sua operadora, com o protocolo fornecido pela mesma via atendimento telefônico, e comprar um chip virgenzinho.
  • Mantenha na sua agenda, além do telefone de casa com o nome na agenda “CASA”, dois ou três contatos com título de parentesco. “Tio Francisco”, “Vó Maria”, são sempre úteis, uma vez que se a honesta pessoa tentar ligar pra um número aleatório e for daquela pessoa que você brigou há 2 anos e nem se lembra mais de você, não vai ajudar muita coisa.
  • Ah! E avise à família da perda do celular, claro!

Uma outra coisa altamente recomendável é o back-up das informações do seu chip (contatos). Meu querido, se o seu celular for uma porcariazinha falante como o em questão nesse post, caneta e papel resolvem! Simples assim!

Uma segunda parte é dedicada aos “desdentados miseráveis”. Essas são as regras de boa convivência na sociedade:

  • Achou um celular, no banheiro, no ônibus, numa festa? Assuma responsabilidade pelo aparelho, não delegue aos outros o seu direito de ser cidadão honesto. O outro pode não fazer o mesmo que você poderia, e assim o sujeito que perdeu amargará a perda.
  • Mantenha-o ligado. Não só por questões óbvias de que o dono tentará ligar, mas, pelo fato de que se ele possuir um código PIN pra poder ligar o celular, você não poder digitá-lo se isso for necessário. Não tenha a brilhante idéia de desligar pra não acabar a bateria e ligar no dia seguinte.
  • Procure na agenda pessoas com parentescos declarados.

Pronto, são regras básicas que podem, ao menos, minimizar o problema – se você ficar sem o seu celular, o paspalho que o encontrou também não vai utilizar.

P.S: Dê ao menos umas 12 horas pra que a pessoa que o econtrou tenha a chance de entrar em contato com alguém. Só no caso de passar desse tempo e/ou você ligar e o mesmo estiver desligado, faça o recomendado aqui. 😉





Viaje na Viagem de casa nova – é o Freire num novo portal!

20 11 2007

Esse é um post meu em homenagem á um dos melhores escritores sobre viagem desse país. Eu já falei do Ricardo Freire algumas vezes aqui no blog, já o citei no Blog Day em agosto, já linkei pra alguns dos posts dele. Enfim, já embarquei “na carona do amigo”.

Dessa vez, o Freire está de casa nova. Seu magnífico blog, um dos mais visitados do wordpress, se mudou pra plataforma do Viaje Aqui, portal de turismo da Editra Abril. Agora a paixão do Freire ganha ares profissionais, o que pros leitores dele será uma mera questão de endereço na internet: todo a interatividade, a atenção, o toque-de-midas do blog do Freire apenas saiu do wordpress. Só. Até a boiazinha foi junto!

Então, pra homenagear essa mudança embarcando na carona do amigo Riq Freire, eu encontrei aqui nas minhas coisas o texto dele mais marcante, o inesquecível “Valsa de uma Cidade”, onde ele declara o seu amor pela cidade da Guanabara.

“Valsa de uma Cidade

 

 

Se algum dia me perguntarem por que eu viajo, eu vou responder: para ver se encontro algum lugar mais encantador que o Rio de Janeiro. Até hoje, não encontrei. Outras cidades podem ser muito superiores em um ou outro aspecto, mas levam nota baixa em tantos quesitos — tipo ala das baianas, empolgação e alegorias de cabeça — que na média acaba dando o Rio, longe. Se você fizer questão de padrões internacionais de julgamento, tudo bem, lá vai: o Rio é Oscar de cenário, direção de arte, casting, (falta de) figurino, roteiro e trilha sonora original. Em que outro canto do planeta você encontra praia, vida cultural de primeira, gastronomia, compras e um povo exótico (nós mesmos!), tudo num lugar só, e em qualquer época do ano?

Para começar — eu adoro dizer isso, porque consigo injuriar paulistas e cariocas numa mesma frase — o Rio é a melhor coisa de São Paulo.

A própria ponte aérea já é uma grande idéia — uma invenção made in Brazil, imagine só, fruto da aliança entre o capital e a vontade de fugir do trabalho. O vôo inteiro é lindo. Com tempo bom, são pelo menos 30 minutos ininterruptos de litoral sendo traçado ao vivo embaixo do seu nariz: a Ilhabela, a baía de Ilha Grande, a restinga da Marambaia. A aterrissagem é mais linda ainda. O avião mergulha perigosamente em direção a um centrinho manhattóide — mas quando você desce a escada, o bafo, o cheiro da maresia e a visão do Pão de Açúcar no canto esquerdo da tela dissipam quaisquer dúvidas e dão as boas-vindas à Guanabara. Que Hong Kong que nada: não existe pouso como no Santos Dumont.” Por Ricardo Freire, em alguma época há um tempo atrás…

Sucesso ao Riq no novo portal!





O Rio nú e crú – Todos os gastos ao seu alcance

3 11 2007

O que o Quintino no Diário do Rio postou é importante, vale á pena divulgar á toda população interessada: a Prefeitura do Rio de Janeiro possui um sistema de consulta online que transparece todas as suas operações financeiras tanto de entrada quanto de saída de gastos.

Confira lá no Diário do Rio e veja, como o Quintino disse, o que a sua imprensa oficial não mostra.





Cirque du Soleil: Retratos proibidos

25 10 2007

Achei pertinente colocar aqui a minha resposta ao questionamento da Karla Alessandra, que no post referente a informações do Cirque, ela fez uma pergunta que muitos têm feito através da seção ‘Contato’ do Digo.

 

 

“Tenho entradas pro dia 26 de outubro (amanha) e queria muito, muito saber se pode levar camera fotografica?”

De acordo com as regras praticadas ano passado, com o Saltimbanco, a entrada com câmeras é permitida sim. PORÉM, dentro da tenda do show, não são permitidos retratos. Nem antes, NEM DURANTE, nem depois do show.

Claro que, como forma de permitir que os clientes registrem alguns momentos de recordação nas dependências do Cirque du Soleil, câmeras são bem-vindas nas áreas externas. O portador da câmera, pode, inclusive entrar com ela na tenda principal, pois o Cirque não pratica a desagradável política de recolhimento de materiais pessoais. Entretanto, o cliente será avisado gentilmente que não são permitidos retratos dentro do Grand Chapiteau. Serão gentis até o ponto em que o cliente deixar de ser educado.

Espero que esteja claro para todos!





Quinta no Cinemark: Ingressos a R$ 4

23 10 2007

Como não há muito o que dizer além de APROVEITE, a única coisa que posso colocar aqui é o básico mesmo.

“Os quatro complexos* Cinemark no Rio de Janeiro e em Niterói vão participar da promoção “Quinta no cinema”, esta quinta-feira, dia 25, cujos ingressos custarão R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia-entrada). Todas as sessões e todos os filmes terão este preço especial.”
(*) Cinemark Botafogo; Cinemark Downtown; Cinemark Carioca; Plaza Shopping Niterói.

Fonte: O Globo

É sempre bom lembrar que no Rio de Janeiro menor de 21 anos paga meia-entrada!