Transporte no Rio: 3 anos pra COMEÇAR a construir uma estação

22 01 2008

Eu não sei mais qual é o limite pra se sonhar com algo que faça uma revolução no transporte de massa no Rio de Janeiro, mas, quando esse limite é, desde sua criação, castrado de toda possibilidade imaginativa quando promovem projetos “realistas” a passo de lesma, não há mais o que se sonhar, esperar ou imaginar de um sistema como esse.

O Metro Rio, através de seu presidente, José Gustavo Costa, anunciou, dentre outras coisas, que a estação Uruguai, na Tijuca, terá sua construção iniciada em 2011. Dois mil e onze?!?! Mas essa estação é justamente a que menos pede investimentos, dentre quaisquer outras que possam ser construídas: o túnel dela já está pronto. O que precisa-se fazer, sim, é a estação em si, que responde pela menor parte do investimento, já que não haverá perfuração para implantação dos trilhos.

Não querendo imaginar nada absurdo, mas o mínimo possível, seria gastar energia demais querer imaginar quando o metro carioca chegaria no Leblon… quando na verdade o projeto inicial da linha 1 era fechar um anel, levando o metro desde a Tijuca até a Gávea e, fechando assim o círculo, fazendo uma ligação direta entre esses dois bairros sob a Floresta da Tijuca.

Com uma estação a cada 5 anos, já temos na fila General Osório, Cidade Nova e Uruguai até 2014… metro no Leblon ou na Gávea, só pra década de 20 ou 30 né?!

Anúncios




Ônibus a hidrogênio no Rio

18 01 2008

A COOPE (Coordenação de Programas de Pós-graduação em Engenharia da UFRJ) está desenvolvendo um programa para implantação de veículos movidos a hidrogênio em seu laboratório especializado em estudos aplicados ao hidrogênio.

O projeto, que é financiado pela FINEP e pela Petrobrás, desenvolveu um ônibus motorizado com essa tecnologia com custo do protótipo 50% menor que o protótipo desenvolvido pelos europeus. O novo ônibus terá autonomia de 300 km e não é poluente, além de gerar menos ruído.

Acho que teremos um bom avanço no sistema de transporte, se depender das pesquisas feitas pela UFRJ. Realmente a instituição está de parabéns. Vale lembrar que é dela o projeto bem-sucedido do biocombustível, e, um menos comentado mas com grande potencial, é o caso do desenvolvimento do trem por levitação magnética, que já existe no Japão e na China, mas, que a universidade carioca conseguiu desenvolver com tecnologia nacional.





Ligação marítima da Barra ao Centro: um filme antigo…

8 12 2007

O jornal O Dia publicou hoje uma matéria que anuncia as “novas” armas dos transportes para 2008, uma matéria até interessante para alguns desavisados. Claro que algumas coisas podem sair do papel, mas, outras, já são promessas há muito, muito tempo.

A imagem “https://i1.wp.com/odia.terra.com.br/rio/foto/07/12/08_lancha.jpg” contém erros e não pode ser exibida.A principal notícia, que foi inclusive capa dessa edição, anuncia o projeto da construção da ligação hidroviária entre a Barra da Tijuca e o Centro, indo ainda mais longe declarando a existência de projetos onde fariam as ligações também com Angra dos Reis, Ilha Grande, Mangaratiba e Região Oceânica de Niterói. A julgar pela ambição do projeto, denota-se um grande interesse dos governantes á respeito do desenvolvimento dessas modalidades de transporte na nossa região. Mas, as coisas não são bem assim “tão novas”.

Durante a gestão Rosinha Mateus, em 2 de julho de 2002, o então secretário de transporte do Estado, Raul de Bonis, apresentou alguns estudos que viabilizariam a via e ainda declarou que a opção das barcas é a mais acessível para o governo, pois a natureza já ‘construiu’ a via de circulação que é o mar” e foi mais além, dizendo que as empresas privadas têm se mostrado favoráveis ao projeto e estão dando o apoio necessário para a operação marítima.”

Já em 2003, o mesmo governo gerido por Rosinha, entregou um belo e complexo estudo acerca dos transportes na região metropolitana do Rio, entitulado de PDTU – RMRJ (Plano Diretor de Transporte Urbano da Região Metropolitana do Rio de Janeiro), onde tais ligações marítimas já eram previstas, além de novos terminais marítimos em Botafogo, São Gonçalo e Galeão. O tal estudo, que se não tivesse ficado somente em âmbito hipotético, em sua plena e eterna teoria, teria realmente provocado uma revolução, uma reinvenção da mobilidade em massa na região carioca, caso fosse feito o que o mesmo estudo chamou de “Investimento Pleno” . Mais uma vez, os estudos foram programados e justificados como investimentos na cidade para que a mesma pudesse perfeitamente comportar a realização dos Jogos Pan-americanos 4 anos mais tarde.

Já em 11/04/2005 o Diário Oficial do Rio de Janeiro publicara o processo de licitação da operação da via com data de 08/04 do mesmo ano. O decreto, que pode ser visto nessa página, previa a conclusão das obras visando sua utilização durante os Jogos Pan-Americanos que ocorreu esse ano. Um decreto publicado num Diário Oficial é, digamos, o documento final, a assinatura que faltava para o cumprimento de determinadas metas, com prazos explícitos como forma de compromisso com o cidadão… Como podem constatar, o projeto não saiu do papel.

Hoje, 08 de dezembro de 2007, o Jornal O Dia publica essas generosas metas para o próximo ano, sob intenções declaradas pelo então secretário de transportes do Estado, Júlio Lopes, de preparar a cidade para a Copa de 2014 e os sonhados Jogos Olímpicos de ’16. Contudo, há uma sensação de possível cumprimento de determinados projetos. Declarações de Júlio Lopes podem ser encaradas tanto como as de alguém que tem confiança no que está fazendo, como as de um mero político ganhando terreno e postergando antigas promessas: “O secretário anterior usou um barco inadequado para o estudo de viabilidade da linha aquaviária. Passou-se a acreditar que a ligação não era possível. Estudos de marés feitos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro atestam as condições de navegação nesse trecho”.

Se não houver a insistente aparição do fantasma do Dejá-vù, alguns cariocas poderão enfim se beneficiarem de projetos definitivamente concluidos. Esperamos que seja no tempo previsto!





CONSUMIDOR será “multado” por atrasos em vôos

5 12 2007

Lí essa notícia no O Globo, que diz que as “empresas aéreas ameaçam repassar multa para os consumidores, com aumento das passagens” e tive que fazer um comentário á respeito. Ao meu ver, está estampado nítidamente apenas com o título da reportagem que a multa, pobres usuários, serão pagas por eles. Sim, as multas por atrasos e má prestação de serviços ofertados á eles próprios serão pagos pelos mesmos lesados com os problemas das companhias.

“Posso estar sendo leigo no assunto, ou não tão acostumado com essas questões na terra brazilis, mas, NÃO ACHO JUSTO o usuário que comprar o seu ticket pagando pela prestação do serviço que a companhia tem a obrigação de prestar por completo e SER ONERADO previamente com relação á possíveis ATRASOS decorrentes da má prestação dos serviços das empresas em questão. Onde já se viu isso?
Espero não estar errado quanto ao meu pensamento… “





Bicicletas – Uma mudança de hábito

3 11 2007

Bertrand Delanoë criou o VELIB e pôs Paris sobre duas rodas – num projeto maravilhoso. O Rio de Janeiro, de modo um tanto diferente, quer alcançar o mesmo objetivo. E a idéia central é trazer ao cidadão uma nova perspectiva de uso de transportes de massa para grandes distâncias aliado á bicicletas para curtas distâncias.

Essa é a idéia central de um debate realizado entre órgãos poderosos que regulam o sistema de transporte de nível estadual e federal. Chamado de “Rio de Janeiro – O Estado da Bicicleta”, o projeto que está em desenvolvimento pela Secretaria Estadual de Transporte visa criar facilidades aos usuários de bicicletas e com isso atrair novos usuários. Parte dessa nova gama de facilidades é a criação de bicicletários em terminais de ônibus, estações de barcas, trens e metrôs. O projeto, ainda em elaboração pelos idealizadores pode ser aprovado já em Dezembro.

Eu acho que esses bicicletários deveriam ser instalados em outras localidades, além de terminais de transporte. Algo como um bicicletário a cada 1 ou 2 km numa região, ou algo mais próximo. Havendo conscientização do usuário e uma reeducação de trânsito, acho que o Rio de Janeiro tem tudo pra se tornar, não só a maior malha cicloviária do país que já é, mas, a mais bem usada também!





Trem Bala Rio x São Paulo: grupo de trabalho definido

3 11 2007

Á todos aqueles que acharam que a notícia estava indo embora de mansinho, num caso típico que os brasileiros sabem que ocorre quando a imprensa cala, o brasileiro esquece e o projeto é arquivado. Pois esse não será o caso do projeto do Trem de Alta Velocidade ligando a capital carioca à paulista.

Nesse último dia 30, o Secretário Estadual de Transportes, Julio Lopes, constituiu-se como mais um integrante dessa frente de trabalho que irá estudar toda a viabilidade de realização do projeto.

Com a Copa 2014 nas mãos, acho que, inclusive, eles poderiam acelerar o projeto para entrega-lo antes do mundial. Acho que, dessa vez, o projeto sai do papel!





Copa 2014 no Brasil – Pode ser que sim, pode ser que não

30 10 2007

A FIFA confirmou hoje o já muito esperado anúncio oficial da realização da Copa do Mundo de Futebol no Brasil, daqui a 7 anos. Muito já foi falado, muitas fotos já sairam na internet a respeito dos projetos e muito, muito há de se cumprir pra que, realmente, a Copa seja sediada em solo brasileiro.

Porém, o que talvez nem todos saibam é que esse anúncio de hoje, 30/10/2007, não é a, digamos, bênção final da FIFA. Agora é a etapa do “depósito de confiança” da organização no país exigindo que todos os requisitos mínimos, além dos projetos propostos pelo país sejam estritamente seguidos, postos em prática, dentro do cronograma, inclusive, para, aí sim, a FIFA decretar ao Brasil o direito de sediar os jogos em ’14.

O que isso quer dizer? Quer dizer que, como pra todos os outros países isso também foi regra, para o Brasil não será uma exceção. Nosso país terá até 1º de junho de 2012 para apresentar todos, absolutamente todos os projetos a serem entregues até aquela data, de acordo com o cronograma de obras e desenvolvimento, ou, em alguns casos, comprovarem o andamento de obras em estágios que, de acordo com o previsto, estejam dentro do prazo até 2012 tendo tempo satisfatório até sua conclusão bem antes do inicio do mundial de futebol. Em outras palavras, a FIFA não tolera atraso. Felizmente, não haverão, caso o Brasil se comprometa profundamente, atrasos como houveram no PAN do Rio de Janeiro. Se o Rio se comprometer a construir 3 novas linhas de metrô, por exemplo, com 40km cada, ele terá de cumprir isso milimetricamente, dentro do prazo, senão a FIFA, nesse caso específico, cancelaria a participação Carioca no Mundial. Isso é só um exemplo. As obras, que a CBF junto com os Governadores dos estados interessados se decidiram por fazer, são tanto obras de infra-estrutura como de segurança, educação, entre outros.

Caso o Brasil não esteja seguindo como comprometido o projeto para realização do campeonato, a FIFA tem até junho de 2012 para anunciar o cancelamento do Brasil como país sede e escolher outro. E isso ela pode fazer em qualquer etapa do projeto, seja em 2009, ou depois, caso esteja algo indo muito errado. De acordo com matéria divulgada no O Globo, inspeções trimestrais serão feitas durante todos os anos e, caso algo errado seja detectado, a FIFA envia uma notificação exigindo respostas em até 72 horas.

Um coisa interessante que falaram:

“A Copa do Mundo tem uma particularidade porque o Brasil terá que realizar em cinco anos o que faria em 25 ou 30. Ou seja, isso seria muito bom para ajudar no desenvolvimento do país.”

Espero realmente que o nosso país não decepcione, que tudo que seja prometido seja cumprido. Não queremos nossa imagem mal na fita né?! Temos tudo pra transformar nossas cidades radicalmente pra receber o que o Romário declarou ser “a maior Copa do Mundo de todos os tempos” em seu discurso após a escolha.

Agora, queridos leitores, é esperar até 2009 pra torcer para o Rio de Janeiro ser anunciado como cidade sede dos Jogos Olímpicos de 2016! Aí não duvide: veremos VLTs (LRT em inglês), TGVs e um completo e novo sistema de infra-estrutura da cidade.

Essa próxima década promete!